6 meses de amamentação exclusiva!

6 meses de amamentação :)

6 meses de amamentação :)

Essa semana Vinícius completou 6 meses de vida.

E assim também completamos 6 meses de amamentação exclusiva (para fins de felicidade materna, vou deliberadamente subtrair da conta as 3 semanas que ele tomou leite artificial – por necessidade – rsrsrsrs).

Faço questão de deixar registrado aqui minha alegria e orgulho por termos conseguido e por um motivo bem simples: não é frescura não.

Dia desses li esse post ótimo sobre como a sociedade lida com a amamentação.

1 mês

1 mês

Todos concordam que o leite materno é o melhor alimento para o bebê, mas poucos, muito poucos, apoiam a amamentação de fato. Quer ver?

Qual o sentido de se presentear a mãe/bebê com mamadeiras e chupetas, quando se sabe que o uso de bicos artificiais atrapalha amamentação e quando se espera que o bebê seja amamentado no seio até os 6 meses exclusivamente?

Se concordamos que o leite materno é o alimento mais completo por que quando o bebê chora duvidamos que ele esteja bem alimentado? Por que perpetuamos o mito do leite fraco, do leite que não sustenta? Por que reprimimos as mães que querem dar colo ao bebê? Por que alimentar em livre demanda é sinônimo de criança “mimada”, “mal acostumada”?

Aos 2 meses: dormindo juntinhos para estimular a produção de leite e também porque é uma delícia. :)

Aos 2 meses: dormindo juntinhos para estimular a produção de leite e também porque é uma delícia. :)

Por que insistimos em oferecer e aconselhar as mães a dar água, leite artificial, chá e sucos antes dos 6 meses? Por que consideramos que é besteira iniciar essa introdução de alimentos após os 6 meses? Por que acreditamos que o bebê ficará mais satisfeito com qualquer coisa que seja além do leite do peito?

E a resposta não é difícil de imaginar: porque não confiamos plenamente na capacidade de nutrir que a mãe possui.

E como poderíamos com o bombardeio constante da publicidade dos leite artificiais? Das orientações patrocinadas nos consultórios de pediatria?

No texto que mencionei a autora faz uma reflexão muito interessante e que vale a pena ser lida!

Essa dúvida que ronda a amamentação reflete-se em números: apenas 41% dos bebês são amamentados exclusivamente até os 6 meses de vida. 

Se pensarmos que o leite é o alimento nutricionalmente ideal, que está sempre disponível, que é econômico, que alimenta, previne e cura, que não é só alimento, mas contato, carinho, vínculo… é difícil acreditar que menos da metade das mulheres continuem a amamentar seus filhos até os 6 meses.

Para as mães que quiseram amamentar, mas não conseguiram, não se sintam culpadas. A culpa não é sua, é de todos nós, pois existe uma pressão social que condena a mulher que amamenta, sobretudo em público. Seios que amamentam são nojentos, “fedem” a leite, é animal, grotesco. Quem nunca ouviu um comentário incômodo acerca da amamentação?

Há quem sexualize o aleitamento, quem argumente que o filho ficará muito ligado a mãe e que isso atrapalhará seu desenvolvimento psicológico. Ao meu ver, tudo isso é só mais uma forma de castração da mulher, mais uma forma que nossa sociedade machista encontra de condenar e inferiorizar uma fonte NATURAL de prazer para as mulheres.

Grudinho bom!

Grudinho bom na hora de dormir.

meu gordo lindo!
meu gordo lindo!
Meu coração se desmancha em mil pedacinhos cada vez que esse gordinho pega a minha mãe enquanto mama, enquanto adormece...

Meu coração se desmancha em mil pedacinhos cada vez que esse gordinho pega a minha mãe enquanto mama, enquanto adormece…

O carinho mais gostoso que existe!

eu gosto de tirar fotos com o celular enquanto amamento para registrar o tanto de carinho e amor que eu vejo dos detalhes, da mãozinha dele sobre a minha, dos pés apoiados na minha perna, do olharzinho que ele faz. Dois olhos é pouco para registrar tanta ternura!

Aliás, tudo o que concerne ao natural, fisiológico, está historicamente equiparado ao entendimento do que é feminino. A dicotomia feminino/masculino reserva para os homens a tecnologia, a racionalidade, a ação. E para as mulheres o outro lado. E o outro lado é sempre inferior, deve ser evitado, visto com desprezo.

E já que eu misturei amamentação com feminismo, deixo aqui uma sugestão de leitura maravilhosa para tod@s: Teorias Feministas e A Filosofia do Homem, que pode ser lido em pdf aqui.

Que cada dia mais possamos refletir, nas nossas pequenas vitórias pessoais, como o sistema através da linguagem, dos conselhos bem intencionados, das práticas nunca questionadas, apenas procura perpetuar ideias e conceitos sexistas, que servem apenas para dominar psicologicamente o prazer e a felicidade de ser mulher em seus multifacetados aspectos.

 

amo!

amo!

Desse lado de cá seguimos com a amamentação, felizes pelos 6 meses vencidos, fortes e confiantes na vida saudável que estamos tentando trilhar. Mesmo tendo enfrentado muitos problemas no início, como já foi relatado aqui, não amamentar nunca foi uma opção na minha cabeça. Nunca me imaginei não amamentando meu filho, pois para mim, é muito natural fazê-lo, instintivo, algo que sempre soou como certo.

Apenas fico feliz de ver que o tempo realizou o que eu já sabia.

para quem não acredita na força do leite materno tái o o meu gordinho lindo das bochechas rosadas!

para quem não acredita na força do leite materno tái o o meu gordinho lindo das bochechas rosadas!

 

E para finalizar esse post uma foto que acabei de ver no Facebook:

Carlos González, pediatra e autor de livros maravilhosos! :)

Carlos González, pediatra e autor de livros maravilhosos! :)